Informações ao paciente

perguntas-frequentes

Perguntas frequentes

sobre-a-cirurgia

Sobre a cirurgia

Perguntas frequentes

Como funciona a audição?

A surdez é a alteração sensorial mais comum. Pode ter diversas causas e o problema pode estar em qualquer parte da via auditiva, desde a orelha externa até o cérebro. Nas crianças, pode causar atraso na fala e no aprendizado. Em adultos e idosos, gera impacto na qualidade de vida, isolamento social e depressão.

A maior parte das causas de surdez tem tratamento.

A orelha é divida em externa, média e interna.

FIGURA

A orelha externa compreende o pavilhão auditivo e o conduto auditivo externo até a membrana do tímpano.

A orelha média compreende o tímpano (membrana formada por três camadas), três ossículos – martelo, bigorna e estribo (que são articulados entre si). O martelo está preso à membrana timpânica e o estribo se comunica com a cóclea, os espaços onde estão essas estruturas e a mastoide. A mastoide é um osso (que fica atrás do pavilhão auditivo) aerado. A orelha média se comunica com a faringe através da tuba auditiva (ou trompa de Eustáquio). Este canal fica normalmente fechado e se abre quando engolimos ou abrimos a boca. Esta comunicação permite a equalização da pressão do ouvido (ou seja, que a pressão na orelha média seja semelhante à do ambiente) e que não se acumule líquido no ouvido médio.

A orelha interna compreende a cóclea (responsável pela audição), labirinto (responsável pelo equilíbrio) e conduto auditivo interno. Este conduto contém o nervo da audição (que sai da cóclea e vai até o tronco cerebral), nervo vestibular (que sai do labirinto) e nervo facial (que inerva os músculos da face).

 

Como o som é conduzido

A onda sonora é captada pela orelha externa. A vibração que passa pelo conduto auditivo externo vibra a membrana do tímpano. Essa vibração é transmitida aos ossículos da audição que amplificam o estímulo, que chega então à janela oval (região onde a bigorna se comunica com a cóclea). A cóclea é um osso na forma de caracol que possui líquido em seu interior (perilinfa e endolinfa) e células ciliadas sensoriais. A vibração que chega à cóclea movimenta o líquido em seu interior. Esta movimentação ativa as células ciliadas que transformam o estímulo mecânico em estímulo elétrico. Este vai então ativar o nervo da audição e o estímulo sonoro chega ao tronco cerebral e, por último, no córtex auditivo cerebral.

A perda de audição pode ocorrer devido a alterações em qualquer parte da via auditiva descrita anteriormente.

Vídeo da condução do som

 

Tipos de perda auditiva

  • Perda auditiva condutiva

Ocorre quando há algum problema na condução do som até a cóclea, ou seja, por problemas na orelha externa ou média.

Dentre as causas podemos citar: cerume, perfuração da membrana do tímpano, alteração da cadeia ossicular (erosão por infecção crônica), desarticulação, fixação (por infecção crônica ou otosclerose), secreção no ouvido médio (otite média aguda, otite serosa).

 

  • Surdez Neurossensorial

Ocorre quando há algum problema na cóclea ou no nervo da audição.

Alterações cocleares são as causas mais comuns de surdez. Dentre as causas, podemos citar a presbiacusia (perda auditiva pela idade), perda auditiva induzida pelo ruído, hereditária, uso de medicamentos ototóxicos, alteração na irrigação do ouvido, infecções virais.

Alteração no nervo da audição é menos comum que a alteração coclear, correspondendo a cerca de 10% das perdas neurossensorias. As principais causas são inflamação do nervo e causas hereditárias.

Os exames de audiometria e impedanciometria permitem, na maioria das vezes, definir o tipo de perda e quantifica-la (leve, moderada, severa, profunda). Em alguns casos, outros exames são necessários, como BERA, emissões otoacústicas e exames de imagem.

Topo